domingo, março 06, 2005


Adeus

Prefiro-te assim:
Estático
Monolítico
Passado
A ler tuas palavras
Perversas
Vertidas de teu granito
Tramando
Atrevidas
No que restou de mim

2 comentários:

Anônimo disse...

Aqui jaz quem muito foi e ninguém soube!

de ossos e escritas disse...

Gostei de ler . Um bom poema